Imprensa e comunicação social

Mais detalhes

Recursos humanos

Mais detalhes

Apoio ao cliente

Mais detalhes

Desenvolvimento corporativo

Mais detalhes

Para outras questões, utilize estes contactos:

Contacto

Neurologia

Recuperar o controlo.

A neurologia é um campo amplo e lida com o diagnóstico e o tratamento de distúrbios do sistema nervoso. Algumas doenças do sistema muscular também pertencem ao campo da neurologia.

O sistema nervoso é uma rede muito complexa e altamente especializada de neurónios sensoriais e motores, e compreende o sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). Facilita a comunicação entre todas as partes do corpo e coordena as funções essenciais da resposta do corpo a estímulos internos e externos, permitindo-nos realizar ações voluntárias e involuntárias (voluntárias, por exemplo, movimentos do corpo e involuntárias, por exemplo, ativação de glândulas).

Uma vez que as doenças neurológicas podem afetar todas as áreas do corpo, os seus sintomas são extremamente variáveis. São vários os fatores que podem causar uma doença neurológica – infeções, doenças autoimunes ou disfunção devido a acidente vascular cerebral e/ou traumatismo cranioencefálico são apenas alguns exemplos.

Os distúrbios neurológicos ou défices neurológicos podem causar distúrbios consideráveis no controlo do movimento e levar a graves limitações na vida quotidiana dos doentes. Portanto, é importante tratar os distúrbios neurológicos o mais cedo possível. Embora alguns distúrbios neurológicos sejam curáveis, outros não são. No entanto, muitas vezes é possível influenciar positivamente ou reduzir o curso e os sintomas de um distúrbio através do tratamento.

Com os nossos medicamentos terapêuticos, na Merz Therapeutics desejamos contribuir para melhorar a qualidade de vida de doentes com distúrbios neurológicos, como distonia, espasticidade, sialorreia, doença de Alzheimer, doença de Parkinson e outros transtornos.

illu-dystonie-blue

Distonia

A distonia é um distúrbio neurológico do movimento caracterizado por hiperatividade muscular involuntária, resultando numa postura anormal. Existem doentes com distonia em todas as faixas etárias. O distúrbio pode aparecer de várias formas e afetar diferentes partes do corpo. As causas da distonia não são totalmente conhecidas. Embora o envolvimento dos centros de controlo de movimento seja óbvio, a causa pode ser encontrada em várias regiões. Pode ser originada, por exemplo, no córtex cerebral, nos gânglios da base, nos tratos piramidais ou no bulbo raquídeo.

 

Os sintomas característicos são espasmos musculares involuntários que desencadeiam posturas e movimentos corporais invulgares. Podem ocorrer em diferentes partes do corpo, frequentemente em grupos musculares da cabeça, pescoço, braços ou pernas. A distonia é frequentemente focal, ou seja, limitada a uma região do corpo, como o espasmo das pálpebras (blefarospasmo) ou o pescoço rodado (torcicolo).

 

Espasticidade

A espasticidade é derivada da palavra grega spasmós, que significa cãibra. Os danos a partes do sistema nervoso central (SNC) que controlam a atividade muscular podem levar a espasmos. Este dano pode surgir de lesões como traumatismo cranioencefálico ou lesão medular. Um problema de saúde, como um acidente vascular cerebral, esclerose múltipla, paralisia cerebral, um tumor cerebral ou um dano cerebral que pode ser causado por deficiência de oxigénio, encefalite ou meningite.

Do ponto de vista médico, a espasticidade é um aumento patológico da tensão muscular. A hipertonicidade nos músculos leva a um endurecimento e enrijecimento permanente, conhecido como espasticidade. O grau de espasticidade varia em termos de gravidade, bem como os sintomas que a acompanham. O que está relacionado com as áreas do SNC que são afetadas e em que medida. Os sintomas estão associados a deficiências funcionais (por exemplo, função das mãos), restrições na mobilidade, bem como limitações nas atividades quotidianas e na qualidade de vida.

 

Saiba mais sobre a espasticidade

illu-spasticity
illu-sialorrhea-blue

Sialorreia

A sialorreia é definida como um excesso descontrolado de saliva devido à incapacidade de tirar a saliva da boca e/ou aumento da produção de saliva (hipersalivação), resultando em ptialismo constante. A sialorreia pode causar desde o desenvolvimento de infeções cutâneas e erupções cutâneas, até infeções pulmonares potencialmente fatais (pneumonia por aspiração). Além disso, pode afetar bastante a qualidade de vida em doentes com distúrbios neurológicos, como a doença de Parkinson, acidente vascular cerebral, traumatismo cranioencefálico e parkinsonismo atípico. Os indivíduos afetados sentem-se frequentemente envergonhados, o que leva ao isolamento, ansiedade, depressão e autoaversão. Apesar disto, a sialorreia é subdiagnosticada e subtratada.

illu-alzheimer

Doença de Alzheimer

A demência é um fardo pesado para os doentes e os seus familiares. A forma mais comum de demência é causada pela doença de Alzheimer. Os doentes dependem da ajuda de outras pessoas para realizar tarefas quotidianas.

As causas da doença são variadas e ainda não são completamente compreendidas. A patogénese é caracterizada por células nervosas no cérebro que começam a perder a capacidade de funcionar, o que tem um impacto na memória e nos processos de pensamento, levando a sintomas típicos, como perda de memória ou confusão. Com o passar do tempo, as perdas funcionais são inicialmente limitadas, mas à medida que a doença avança, alguns processos podem eventualmente deixar de funcionar. O glutamato é um aminoácido importante, conhecido por desempenhar um papel importante na sinalização das células cerebrais e no desenvolvimento e tratamento da doença de Alzheimer.

Doença de Parkinson, e outros transtornos.

A doença de Parkinson é uma das doenças mais comuns do sistema nervoso central (SNC). Existem sintomas principais típicos, como tremor, bradicinesia (movimento lento), rigidez e instabilidade postural entre muitos outros sintomas motores e não motores. Eles diferem em gravidade em cada doente, geralmente começam unilateralmente e podem desenvolver-se em diferentes velocidades.

A doença de Parkinson é causada por um desequilíbrio de neurotransmissores no SNC. As células que produzem a substância dopamina morrem gradualmente à medida que a doença avança. A falta de dopamina resultante leva a um excesso relativo de glutamato. Uma consequência do equilíbrio perturbado dos neurotransmissores é um comprometimento do controlo do movimento. Além disso, os doentes podem sofrer de sintomas associados, como sialorreia.

No entanto, com o diagnóstico precoce e o tratamento adaptado às necessidades individuais, é possível aliviar os sintomas e melhorar significativamente a qualidade de vida. A amantadina, como antagonista do glutamato, compensa o desequilíbrio neurotransmissor no cérebro de doentes com Parkinson.

illu-parkinson-blue